Aulas gratuitas de Taekwondo Adaptado para qualquer tipo de deficiência
Rio de Janeiro (Capital)
Campo Grande, Penha e Tijuca
Rio de Janeiro (Outras Cidades)
Macaé, Nova Iguaçu e Petrópolis
São Paulo (Capital)
Mooca, Paraíso.

    No Brasil, o esporte adaptado surgiu em 1958 com a fundação de dois clubes esportivos (um no Rio e outro em São Paulo). Nos últimos cinco anos, o Esporte Adaptado brasileiro vem evoluindo, mas por falta de informação e, principalmente, de condições específicas para a sua prática, muitos portadores de deficiência ainda não têm acesso a ele. Mesmo sem o apoio necessário, nas Paraolimpíadas de Sydney, em 2000, o Brasil conquistou um número recorde de 22 medalhas, sendo 6 de ouro, 10 de prata e 6 de bronze, quebrando três recordes mundiais no atletismo. E no futebol para amputados, o Brasil sagrou-se tetracampeão. Atualmente, o Esporte Adaptado no Brasil é administrado por 6 grandes instituições: A ABDC (Associação Brasileira de Desporto para Cegos) que cuida dos deficientes visuais, a ANDE (Associação Nacional de Desporto para Excepcionais) que cuida dos paralisados cerebrais e dos lesautres, a ABRADECAR (Associação Brasileira de Desportos em Cadeira de Rodas) que administra as modalidades em cadeira de rodas, a ABDA (Associação Brasileira de Desportos para Amputados) que cuida dos amputados, a ABDEM (Associação Brasileira de Desportos para Deficientes Mentais) que administra os esportes para deficientes mentais e a CBDS (Confederação Brasileira de Desportos para Surdos) que cuida dos deficientes auditivos e não está vinculada ao Comitê Paraolímpico Brasileiro.

fonte:www.add.org.br/esporteAdaptado/historia.php


    No Rio de Janeiro um trabalho estava sendo realizado e por dificuldades teremos que esperar um pouco mais a chegada de benefícios importantes para o Taekwondo adaptado. Contudo, mesmo sabendo que a interrupção causa lentidão de um processo de conquistas, torcemos que este tipo de trabalho seja novamente realizado para que em um futuro próximo possamos realizar um Campeonato Brasileiro de Taekwondo Adaptado para cegos, surdos, amputados, etc. Roberto Cardia, autor do projeto de Taekwondo no Instituto Benjamin Constant, conseguiu implantar o sistema no seu Estado em 2002, no Campeonato Para-Estadual e modificou parte das regras para viabilizar os kyorugis (lutas).     Cardia atuou na Federação do Rio de Janeiro como Diretor de Taekwondo Adaptado. Contribuiu na fomentação da prática competitiva para outras deficiências e acredita que a criação de pólos específicos contribuirá no desenvolvimento do projeto mencionado.